HABITAÇÃO

 

Coleção Olhares N.º 11

Coleção Olhares N.º 10

Coleção Olhares N.º 9

Coleção Olhares N.º 6

Coleção Olhares N.º 5

Coleção Olhares N.º 4

Coleção Olhares N.º 3

Coleção Olhares N.º 2

Coleção Olhares N.º 1

Coleção Olhares N.º 14

ObCig Contacts

Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (ACM)

Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig)

Rua Angelina Vidal, 41, Piso 1, 1199-005 Lisboa

T. (+351) 218106100 | F. (+351) 218106117

Avenida de França, 316, Edifício Capitólio, 4050-276 Porto

E-mail: obcig@acm.gov.pt

Facebook ObCig


Intro Coleção Olhares

A Coleção Olhares, criada em 2005, conta com 14 números publicados. O ObCig renova a aposta nesta coleção, que tem o suporte papel e digital, pretendendo divulgar estudos, trabalhos e/ou teses com particular interesse para a temática das comunidades ciganas. Estes estudos são da responsabilidade do/a investigador/a ou da equipa que o propõe.


Prémio OBCIG Pessoa de Mérito 2022

3.ª edição do Prémio OBCIG Pessoa de Mérito

Atribuição do Prémio a Bruno Gonçalves, em 14 de dezembro de 2022, no Seminário Internacional "Políticas Públicas, Conhecimento Científico e Participação Cívica das Pessoas Ciganas", organizado pelo ObCig, em formato presencial. As candidaturas decorreram de 8 de abril a 1 de julho de 2022, em conformidade com o Regulamento e a Declaração de Consentimento.


Newsletter

Intro Prémios OBCIG

Prémio OBCIG Empresas Integradoras foi criado em 2019 para distinguir empresas que desempenham um papel importante na integração laboral de pessoas ciganas. Esta distinção, dirigida a organizações empresariais que empreguem cinco ou mais pessoas ciganas com contrato assinado, tem também o objetivo de inspirar outras entidades empregadoras a intervir na implementação e desenvolvimento de políticas e práticas empresariais promotoras da diversidade cultural, do combate à discriminação em razão da origem étnica e da integração das pessoas ciganas, residentes em território português.

 

Prémio OBCIG Pessoa de Mérito foi criado em 2020 com o objetivo de dar o devido reconhecimento a pessoas que desenvolvam, há 10 ou mais anos, trabalho maioritariamente de cariz voluntário no âmbito da integração de pessoas ciganas. O ObCig pretende, assim, distinguir pessoas cuja filosofia de vida, princípios, valores e práticas se pautam pela participação, envolvimento e cidadania ativa crítica, emancipatória e humanista, promovendo, através do voluntariado, a diversidade cultural, o combate à discriminação em razão da origem étnica e a integração das pessoas ciganas residentes em território nacional.


"Direito à Habitação" Newsletter de dezembro de 2022

Imagem em Destaque
"Direito à Habitação" Newsletter de dezembro de 2022

O Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig) convida-o/a a conhecer o novo número da Newsletter ObCig (dezembro de 2022) dedicado ao tema “Direito à Habitação”. Este número inclui um artigo de Marina Gonçalves, Secretária de Estado da Habitação, e conta com os testemunhos de Carlos Videira, Administrador Executivo da BragaHabit - Empresa Municipal de Habitação de Braga, Lindo Cambão, Mediador da Câmara Municipal de Torres Vedras, Osvaldo Grilo, Dirigente Associativo, e Sónia Caldeira, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, na secção de Vozes Plurais.
A Newsletter encontra-se disponível aqui.


Sobre o ObCig

O Governo de Portugal, consciente da necessidade de promover a integração das comunidades ciganas, aprovou, em 2013, a Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas (ENICC), Resolução do Conselho de Ministros n.º 25/2013, de 27 de março.

A Estratégia surge, neste contexto, como uma plataforma para o desenvolvimento de uma intervenção alargada e articulada, onde os vários ministérios, municípios, organizações da sociedade civil, academia e comunidades ciganas, entre outros, contribuem ativamente para a concretização dos objetivos traçados.

Face à escassez de estudos e informação relativas às comunidades ciganas, por forma a definir um diagnóstico robusto, a avaliar as dinâmicas e os resultados decorrentes da Estratégia, mas também a produzir um conhecimento aprofundado da temática, a ENICC prevê, no seu Eixo Transversal, Prioridade 2, a criação do “Observatório das Comunidades Ciganas” para promover a realização e edição de estudos sobre as comunidades ciganas.

Assim, o Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig) contribui não só para a concretização de algumas das medidas previstas na Estratégia, mas também para a conceção, implementação e avaliação das políticas públicas neste domínio, apresentando-se como um motor de criação de redes de cooperação académicas, científicas e institucionais, bem como do diálogo entre a academia e os decisores políticos.

 

a) Auxiliar na conceção de políticas públicas para a população portuguesa cigana ou residente em Portugal.

b) Promover e realizar investigação em áreas estratégicas visando o conhecimento e a integração da população cigana numa perspetiva de igualdade.

c) Contribuir para a desconstrução de estereótipos, principalmente através da participação em conferências, seminários, workshops e ações de formação.

d) Promover um diálogo construtivo entre a academia e os decisores políticos com vista a potenciar a igualdade de oportunidades e os Direitos Humanos tendo como cerne a população cigana.

e) Dar continuidade à Coleção Olhares, publicando, em edição impressa, investigação científica já realizada (resultados de projetos de investigação, dissertações de mestrado ou teses de doutoramento), com particular interesse para o conhecimento das comunidades ciganas e a decisão política sustentada.

f) Sem prejuízo da criação de outras coleções, criar a Coleção Estudos OBCIG, em edição impressa, com o objetivo de promover a produção de investigação científica temática nas áreas da Estratégia ou afins.

g) Disponibilizar, nomeadamente no sítio do ObCig, investigação realizada e não publicada, como dissertações de mestrado e teses de doutoramento.

h) Promover a edição de brochuras que contribuam para a desconstrução, cientificamente sustentada, de estereótipos.

i) Promover conferências nacionais e internacionais, nomeadamente nos vários eixos da Estratégia Nacional para a integração das comunidades ciganas (ENICC).

j) Estabelecer uma rede de parcerias com Centros de Investigação nacionais e internacionais.

k) Participar em projetos de investigação internacionais que visem aprofundar o conhecimento existente ou produzir novo conhecimento sobre a população cigana numa perspetiva comparada.

l) Participar em redes académicas de promoção e divulgação científicas e de políticas sociais.

m) Criar uma rede internacional de parcerias com organizações não governamentais que trabalhem com população cigana e, globalmente, com problemáticas relativas a Direitos Humanos.

n) Criar uma Newsletter de caráter científico e informativo.

o) Participar em congressos, conferências e seminários nacionais e internacionais, divulgando a atividade científica do ObCig e as políticas públicas para a integração da população cigana.

p) Participar em reuniões internacionais de relevância face aos objetivos do ObCig e, globalmente, do ACM.


Seminário Internacional 2022 "Políticas Públicas, Conhecimento Científico e Participação Cívica das Pessoas Ciganas"

14 dez 2022 - 15 dez 2022

 

Seminário Internacional "Políticas Públicas, Conhecimento Científico e Participação Cívica das Pessoas Ciganas"

O Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig) organizou, em parceria com a Associação Ribaltambição e com o co-financiamento do Conselho da Europa, o Seminário Internacional “Políticas Públicas, Conhecimento Científico e Participação Cívica das Pessoas Ciganas” nos dias 14 e 15 de dezembro de 2022. O seminário decorreu em formato presencial, no Auditório Multimédia do Instituto de Educação da Universidade do Minho.

Esta iniciativa procurou promover a reflexão teórica empiricamente sustentada, o diálogo entre a academia, os decisores políticos, Organizações Não-Governamentais e as pessoas ciganas, consubstanciando-se no convite a académicos/as, decisores políticos, presidentes de Organizações da chamada sociedade civil da mais variada pertença étnico-cultural, nomeadamente pessoas portuguesas ciganas e pessoas individuais com experiência profissional relevante nas temtáticas do Seminário. Destacamos a presença dos conferencistas Iulius Rostas (Dortmund University of Applied Sciences/University of Stuttgart), David Smith (Anglia Ruskin University, UK), Nadir Redzepi (Institut for Social Change, North Macedonia), Béla Kardon e Éva Gáti (RCISD, Hungary), bem como de José Reis (Vogal do CD, ACM) que nos permitiram ter uma perspetiva de comparação internacional sobre a implementação das Estratégias Nacionais para a Integração das Comunidades Ciganas, assim como sobre as condições de vida e de escolaridade da população Roma na Europa. Destaca-se igualmente o momento de entrega do Prémio ObCig “Pessoa de Mérito” à família de Fernando Moital (Prémio 2021) e Bruno Gonçalves (Prémio 2022), distinguidos pelo seu contributo relevante para a promoção da diversidade cultural, do combate à discriminação em razão da origem étnica e da integração das pessoas ciganas residentes em território português. De relevar ainda o Painel em torno dos resultados de projetos de investigação internacionais e os dois painéis envolvendo representantes de Municípios e mediadores interculturais sobre as dinâmicas de participação local, potenciando o debate sobre a integração a partir do local.

 

Consulte o programa do dia 14 de dezembro aqui e o programa do dia 15 de dezembro aqui.

 

 

Comissão Organizadora

Maria José Casa-Nova (Coordenadora)

Inês Aydin (OBCIG)

Cristina Milagre (OBCIG)

Liliana Moreira (OBCIG)

Maria Alfredo Moreira (IE-UMinho)

Daniela Silva (IE-UMinho)

 

Auditório Multimédia do Instituto de Educação, Universidade do Minho, Braga, Portugal

Conselho Consultivo

 

Bruno Gonçalves, Nasceu em 1976 em Coimbra. Licenciado em Animação Socioeducativa em 2018 pela Escola Superior de Educação de Coimbra, concluiu a Pós-Graduação em Mediação de Conflitos em Contexto Escolar em 2020 na Universidade Lusófona. É Formador do Conselho da Europa no âmbito da Mediação Europeia para os roma/ciganos desde 2014. É autor do livro infantojuvenil “A História do Ciganinho Chico” e dirigente associativo cigano desde 1998, primeiramente enquanto fundador e 1º Presidente da Associação Cigana de Coimbra e atualmente enquanto Vice-Presidente da Letras Nómadas- Associação de Investigação e Dinamização das Comunidades Ciganas. E-mail: brunocig@hotmail.com

 

 

Cátia Montes, Mulher cigana portuguesa, licenciada em Educação Social, mestranda em Educação Social, coordenadora do projeto Café Interior Café Terapêutico promovido pela Cruz Vermelha Portuguesa, delegação Faro-Loulé. Ativista pelos Direitos das Comunidades Ciganas.

E-mail: catia_montes@hotmail.com

 

 

Cláudio Garcia, Licenciado em Engenharia Informática (Universidade do Algarve), a finalizar o Mestrado em Educação Social (Universidade do Algarve). Educador Social no projeto Lusco Fusco E8G do Programa Escolhas e Formador no âmbito das Comunidades Ciganas para o Alto Comissariado para as Migrações.

E-mail: claudio8garcia@gmail.com

 

 

Natanael Santos, Licenciado em Gestão na Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova, estudante da Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos na mesma Instituição, Secretário da Juventude Socialista de Idanha-a-Nova e cronista ocasional do Jornal Público.

E-mail: natanaelcardososantos9@gmail.com

 

Sónia "Toya" Prudêncio, Estudante de Educação Social do Instituto Politécnico do Porto, Ativista pelos Direitos Humanos, tem-se dedicado à luta contra a discriminação étnica e à promoção da integração social através da educação. Foi uma das doze mulheres portuguesas retratadas no documentário Histórias das Mulheres do Meu País, de Raquel Freire. É Mediadora Intercultural no município de Gondomar (Gondomar 4All).

E-mail: sonia_523@hotmail.com

 

 

Teresa Vieira, Licenciada em Sociologia (ISCTE), técnica do Núcleo de Apoio às Comunidades Ciganas do Alto Comissariado para as Migrações. Formadora em história e cultura ciganas.

E-mail: teresa.vieira@acm.gov.pt