Vozes Ciganas no Ensino Secundário (Parte I), Mário Vaz Maia

Imagem em Destaque
Vozes Ciganas no Ensino Secundário (Parte I), Entrevistas
MÁRIO VAZ MAIA, 19 ANOS, 11.º ANO, LISBOA
Entrevista realizada em julho de 2018, em lisboa
Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig): Podes contar-nos brevemente o teu percurso escolar até ao Ensino Secundário?
Mário Vaz Maia (MVM): O meu percurso escolar, o ensino primário frequentei a escola aqui do bairro, o bairro da Picheleira. Em seguida do quinto até ao nono, andei na escola das Olaias, onde reprovei o 8.º ano, depois no 10.º ano fui para Escola Padre António Vieira em Alvalade, segui Economia, depois recuei um ano, entrei em Gestão Desportiva na Dona Luísa de Gusmão e passei para o 11.º ano, este ano acabei o 11.º ano e para o ano vou para o 12.º.
ObCig: Da tua experiência de frequência do Ensino Secundário, o que gostarias de dizer no que diz respeito à tua relação com os e as colegas?
MVM: A minha relação com os meus colegas no ensino secundário sempre foi boa desde o 10.º ano, por acaso apanhei colegas de várias etnias e de várias raças e correu sempre tudo bem.
ObCig: E com os/as professores/as?
MVM: Com os meus professores também. Tenho noção que dentro da sala de aula há uma hierarquia e que tenho sempre de respeitar.
ObCig: E o ambiente da escola?
MVM: O ambiente da escola fora da minha sala de aula também é sempre bom, sei sempre quem devo respeitar em toda a comunidade escolar.
ObCig: E sobre os conhecimentos que aprendes?
MVM: Neste curso falo mais… as disciplinas são um bocado diferentes porque o meu curso é virado para criar eventos e gerir espaços desportivos e aprendo sempre coisas diferentes, claro. O desporto é uma coisa que eu gosto.
ObCig: O que achas que pode mudar na tua vida continuando a estudar? Tu estás a pensar ir para a universidade? Porquê?
MVM: Como a vida está hoje em dia é sempre bom seguir mais e mais, e como eu quero ter uma vida estabilizada para o futuro penso que é bom seguir o ensino superior. Na Universidade eu estou virado para estudar a marinha, mas ainda não sei, ainda estou a decidir.
OBCig: Presentemente existem vários jovens e adultos ciganos na universidade. O que achas disso?
MVM: Os jovens de etnia cigana que seguem é bom, é muito bom, para mostrarmos às pessoas que também conseguimos e que somos alunos como os outros e também é um passo que eu quero seguir.
ObCig: O que gostarias de dizer aos outros e às outras jovens ciganos, principalmente aos que estão no 3.º ciclo, para os motivar a continuar na escola?
MVM: O que queria dizer a esses jovens que as coisas de antigamente para hoje em dia já mudaram, as tradições vão mudando e que não é preciso saírem da escola para seguir a venda ou o que os ciganos fazem, mas que sigam a escola e que estudem e que deem uma vida melhor aos pais ou às famílias e é sempre bom.
ObCig: Que mensagem gostarias de transmitir à sociedade?
MVM: Ao ser cigano nunca sofri nenhum tipo de preconceito ou racismo ou o que seja, correu sempre tudo muito bem. Acredito que em outras zonas ou com outros jovens isso aconteça e fora da vida escolar isso acontece, mas comigo sempre tudo correu bem, graças a Deus.

Contactos Contactos

Alto Comissariado para as Migrações, I.P.

Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig)

Rua Álvaro Coutinho, 14, 1150-025 Lisboa

T. (+351) 218106100 | F. (+351) 218106117

Facebook ObCig

Ativado por Liferay