Vozes Ciganas na Mediação Intercultural (Parte II), Sónia Matos

Imagem em Destaque
Vozes Ciganas na Mediação Intercultural (Parte II), Entrevistas
SÓNIA MATOS
Entrevista realizada em novembro de 2018, Seixal
Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig): Como surgiu a oportunidade de ser mediador/a intercultural?
Sónia Matos (SM): Através do RSI, tentei conseguir arranjar oportunidade para tentar ser alguém, portanto, naquela altura eu tinha 22 anos e eu sabia que queria ser mais do que doméstica, dona de casa. Só isso não chegava, eu queria ter uma profissão, queria ser alguém e portanto, vi nisto uma oportunidade. E a minha assistente social informou-me do início de um curso e fui a uma entrevista, da qual fiquei seleccionada. No decorrer desse curso, nós desenvolvemos o curso em parceria com 12 mulheres africanas e depois a meio do curso fomos divididas, porque elas seguiram o curso de geriatria e cuidados e nós seguimos o curso para mediadoras. Isto foi tudo uma experiência. Eles tiveram até meio do curso a analisar se nós tínhamos capacidades para ser mediadoras e conseguimos as cinco provar que sim e claro que nessa altura tivemos a sorte de ter na coordenação do projeto a Dra Fernanda Pedro, que era uma pessoa muito ativa, muito católica também, e que nos levou logo a seminários, a encontros, fomos para Roma com ela, portanto, foi quem nos deu empoderamento, digamos, e conhecimento do mundo e da sociedade em que vivemos. E depois um formador do curso identificou logo no curso que nós tínhamos todas as capacidades para formar uma associação. Uma associação de mulheres ciganas, nós não sabíamos muito bem o que isso era, nem para que servia e fomos assim um pouco atiradas assim ali para o meio da tourada, porque foi assim que nos sentimos no início, porque era tudo muito novo, não havia mulheres ciganas a trabalhar e depois uma mulher viúva e cinco solteiras… é complicado. Portanto foi um percurso engraçado, mas conseguimos, chegámos aqui.  
 
ObCig: O que significa para si ser mediador/a intercultural?
SM: Uma mediadora é um caminho, é um percurso. E é uma aprendizagem todos os dias, e ao longo deste meu percurso fui desenvolvendo várias áreas em meu redor. Ser mediadora cultural é uma pessoa que tem de ser imparcial, que tem de conseguir ouvir um lado e ouvir o outro e tentar fazer a conciliação entre dois pensamentos e que depois esses pensamentos entrem num conjunto e possam partilhar as ideias e chegar a um consenso. Não é um percurso fácil, é muito difícil porque quem fica no meio, tem o trabalho mais complicado, mas é um trabalho que se consegue quando se acredita nele.
 
ObCig: Na sua perspectiva, qual é o papel do/a mediador/a na sociedade? 
SM: A mediadora é alguém que pode trabalhar em várias vertentes, pode trabalhar na área da educação que é essencial e aí já está provado, está mais que provado que um mediador nas escolas é essencial para o sucesso da escolaridade nos meninos de etnia cigana. Além das escolas vejo uma mediadora nos centros comunitários, nos serviços sociais, nos hospitais. Portanto, a mediação seria algo muito importante que os serviços deveriam ver como atendimento para a comunidade cigana. Porque o que eu sinto é que há uma dificuldade muito grande de comunicação entre as duas culturas. 
 
ObCig: Como acha que as pessoas olham para o/a mediador/a?
SM: Um mediador, quando eu digo que sou mediadora, as pessoas perguntam-me o que é isso. “É mediador imobiliário?” Tanto é que é uma profissão um bocadinho… que ninguém identifica. Está muito mais identificada como animadora cultural. E está muito ligado a essa vertente. Um animador tem muito aquele lado da vertência de um mediador, mas depois o mediador da comunidade cigana tem uma especificidade que é a cultura cigana. E aí acho que é essencial para trabalhar com a comunidade cigana.
 
ObCig: Lembra-se de alguma situação em particular que o/a tenha levado a reflectir mais sobre o papel de mediador/a?
SM: Ao longo de 18 anos já dá para fazer uma reflexão no meu local de trabalho onde sou efetiva, neste momento pedi dois anos de licença sem vencimento porque decidi agarrar a minha associação e trabalhar nos projetos em que eu acredito. Mas como disse, há 18 anos que trabalho e estou contratada como auxiliar da ação educativa. Além de fazer esse trabalho, sou professora de dança flamenca que foi outra vertente que desenvolvi ao longo dos anos, a dar aulas de dança sem ser para a comunidade cigana, tudo mulheres adultas, e mais tarde também, formadora. Nestas quatro vertentes e nestes quatro papéis que são muitos distintos uns dos outros a mediação é aquela que mais me toca, aquela que mais me chama, embora seja aquela que seja a mais difícil. Mas é aquela que me dá mais prazer fazer. Mas consigo perceber aquilo que me quer dizer, se houve momentos em que me deu vontade de desistir, sim, deu-me vontade de fazer outras coisas sem ser a mediação, porque a mediação é para alguém que tem muita coragem e que gosta muito e que acredita muito naquilo que faz. Eu posso contar uma situação que se passou comigo, estava a trabalhar há cerca de um ano e no meu primeiro trabalho realizava animação nas escolas, uma parceria com o ICE – Instituto das Comunidades Educativas -, isto em 2000, que era parceiro aqui do “Centro Comunitário várias culturas uma só vida” onde eu trabalho e nós desenvolvíamos animação nas escolas. Nos primeiros tempos eu ía animar os recreios e numa das vezes em que eu tive de ir beber água lá dentro, eu ouvi as auxiliares a comentarem que com esta animadora a vir lá para os recreios os miúdos da comunidade cigana deixaram de faltar e elas tinham que levar com elas todas. Houve alturas em que foi complicado para mim aceitar e ver o quanto a comunidade cigana é discriminada e continua a ser discriminada. Mas é um trabalho que me dá prazer fazer. E hoje consigo ver a diferença, consigo apreciar o quanto houve de mudança de mentalidade das pessoas, da sociedade maioritária, da comunidade cigana a nível da educação, a nível escolar, a nível de comportamentos, e isso são comportamentos. Uma sociedade leva muitos anos para mudar, esses comportamentos já estão enraizados dentro de nós. E portanto é muito difícil. Hoje posso falar por experiência que vivemos na mesma sociedade, temos os mesmos costumes, mas a comunidade cigana está 20 anos, relativamente aos costumes, em atraso ao resto da sociedade maioritária. Porque os nossos costumes são os portugueses, a gente não tem outra cultura, é este o país onde nascemos, portanto, temos é as raízes mais aprofundadas, dentro de nós ainda temos e conseguimos preservar isso, devido ao facto, claro, de continuarmos casamentos comuns e assim se mantem uma cultura com mais de 500 anos. 
 
ObCig: Se pudesse, o que mudaria no papel do/a mediador/a?
SM: Reconhecimento da parte do governo, reconhecimento por parte das instituições, reconhecimento por parte do Ministério da Educação, principalmente é aí a grande vertente, e a grande batalha e se possível que o mediador tivesse mais apoio porque é uma profissão muito desgastante e que necessitávamos de mais apoio por parte… não sei… das instituições, do governo. Deveríamos ter apoio a nível de formação para podermos ganhar força. Encontros entre os mediadores, reflexão sobre o trabalho que se tem vindo a fazer com a mediação em Portugal. Acho que o reconhecimento, acho que era isso aquilo que eu mudaria no mediador.
 
ObCig: O que acha que é importante mudar na sociedade para que esta se transforme numa sociedade intercultural? 
SM: Em primeiro lugar que não olhássemos para o outro como se tivéssemos de integrá-lo em algo, mas sim incluí-lo e respeitá-lo na sua diferença e quando digo isto, digo para a comunidade cigana, digo para a mulher, digo para as minorias, digo para aqueles que são diferentes, portanto quando nós conseguirmos olhar para o outro enquanto pessoa, nós conseguimos incluí-lo na sociedade. Eu acho que é errado que aquilo que se tem vindo a fazer, trabalhar a integração da comunidade cigana, mas a comunidade cigana não quer ser integrada, quer ser respeitada, que é isso que faz falta, é respeitarmo-nos uns aos outros, e no dia que conseguirmos fazer isso, vamos ter uma sociedade mais justa, sem sombra de dúvidas para toda a gente.   
 
ObCig: Tendo em atenção a sua história de vida e experiência de mediação, que mensagem gostaria de transmitir à sociedade?
SM: Sim é possível, é possível vivermos todos na mesma sociedade, respeitarmo-nos uns aos outros e sim é possível convivermos todos juntos sem nos magoarmos uns aos outros. E respeitando-nos na nossa diferença. Posso falar por experiência própria, já sou casada com um não cigano e uma das coisas que ultimamente me deixou muito afetada e muito magoada, foi o fato de ver várias pessoas publicar no facebook, onde pedem na inscrição da criança para definir a sua etnia, e diz lá descendência cigana, descendência africana, e eu não sei como posso definir os meus filhos, o termo não está lá. Como é que eu defino os meus filhos? São metade metade, são meio termo? Vamos lá meter meio termo? Isso é uma das coisas que eu gostava que ficasse aqui vincada, que é que contínua a magoar-me ao longo de dezoito anos de trabalho, de reflexão, de trabalho de formação principalmente a técnicos e continuar sempre a ser convidada para seminários onde se fala da imigração, dos imigrantes. E eu não tenho outra bandeira, não reconheço outro hino e recuso que me retirem a minha identidade.

Contactos Contactos

Alto Comissariado para as Migrações, I.P.

Observatório das Comunidades Ciganas (ObCig)

Rua Álvaro Coutinho, 14, 1150-025 Lisboa

T. (+351) 218106100 | F. (+351) 218106117

Facebook ObCig

Ativado por Liferay